A Quercetina é o mais abundante flavonóide presente na dieta humana e representa cerca de 95% do total dos flavonóides ingeridos. A cebola, a maçã e brócolis são as fontes majoritárias da quercetina. Tem sido muito estudada nas últimas décadas pelo potencial no combate a radicais livres, anticarcinogênico e seus efeitos protetores aos sistemas renal, cardiovascular e hepático. Tem aparência de pó de coloração amarelo-ouro.

A Sanrisil tem um planta especifica para a produção de Quercetina, através da extração da Dimorphandra mollis.

Isoquercetina

A Isoquercetina tem propriedades terapêuticas importantes como a redução da replicação do vírus da gripe, e muito utilizada em estudos relacionados a tipos de câncer com atividade proliferativa como o de cólon, o de pulmão e o de fígado. Além disto, a isoquercetina apresenta outras atividades biológicas importantes, como antioxidante, anti-inflamatória e atividade de proteção contra a aterosclerose. Os efeitos biológicos atribuídos à ela são superiores aos efeitos observados para a quercetina e rutina, nesta ordem (SALIM et al., 2004; FERNANDEZ et al., 2005).

ESTUDO COMPARATIVO DA QUERCETINA DA EMPRESA SANSIRIL

Em  estudos  realizados com análises na Universidade De São Paulo demonstraram  que a SR-DQ95 Quercetina 95  proveniente da Dimorphandra mollis ( que é a matéria prima utilizada no processo produtivo da Quercetina Sanrisil) apresentou uma atividade biológicas 50% mais forte que a quercetina  proveniente da Sophora japônica.

 

 

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

BRAND-WILLIANS, W.; CUVELICI, M. E.; BERSET, C. Use of a free radical method to evaluate antioxidant activity. Lebenswittel-Wissenschaft und Technologie, v. 28, p. 25-30, 1995.
FERNANDEZ, J.; REYES, R.; PONCE, H.; OROPEZA, M.; VAN CALSTEREN, M-R; JANKOWSKI, C.; CAMPOS, M.G. Isoquercitrin from Argemone platyceras inhibits carbachol and leukotriene D4-induced contraction in guinea-pig airways. European Journal of Pharmacology, 522, p. 108-115, 2005.
HALLIWELL, B. Free radicals and antioxidants: a personal view. Nutrition Reviews. v.52, n.8, p. 253-265, 1994.
OLTHOF, M. R.; HOLLMAN, P. C. H.; VREE, T. B.; KATAN, M. B. Bioavailabilities of quercetin-3-glucoside and quercetin-4′-glucoside do not differ in humans. Journal of Nutrition, v. 130, n. 5, p. 1200-1203, 2000.
PEDRIALI, C.A; FERNANDES, A. U.; SANTOS, P. A. DOS; SILVA, M. M.; SEVERINO, D.; SILVA, M. B. Antioxidant activity, cito- and phototoxicity of pomegranate (Punica granatum L.) seed pulp extract. Food Science and Technology (Campinas), v. 30, n. 4, p. 1017-1021, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-2061201000040002 8&lng =en&tlng=en.10.1590/ S010 1-20612010000400028. Acesso em: 23 jul 2014.
SALIM, E. I.; KANEKO, M.; WANIBUCHI, H.; MORIMURA, K.; FUKUSHIMA, S. Lack of carcinogenicity of enzymatically modified isoquercitrin in F344/DuCrj rats. Food and Chemical Toxicology, v.42, n.12, p. 1949-1969, 2004.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *